Banda

História e primeiros anos (1985 – 1991):
Os músicos que formaram o Radiohead se conheceram na Abringdon School, escola pública de Abringdon, Oxfordshire que só aceitava garotos. Thom Yorke e Colin Greenwood estavam no mesmo ano, Ed O’Brien e Phil Selway estavam um ano a frente e Johnny Greenwood estava dois anos atrás que seu irmão. Em 1985 eles formaram uma banda chamada “On a Friday” o nome era uma  referência ao dia que podiam ensaiar na sala de música da escola. O grupo fez seu primeiro show no final de 1986 em, Oxford’s Jericho Tavern. No começo Johnny Greenwood tocava gaita e teclados,mas logo tornou-se o guitarrista da banda.
Embora Yorke,O’Brien and Colin Greenwood tenham deixado Abingdon em 1987 para cursarem a universidade, a banda continuou a ensaiar nos finais de semana e feriados. Em 1991, quando todos os membros exceto Johnny que havia completado a universidade alguns anos depois, “On a Friday” reagrupado começaram a gravar demos como a Manic Hedgehog, e  realizou shows ao vivo ao redor de Oxford em locais como The Jericho Tavern. Oxfordshire e o Thames Valley tinham uma cena musical independente muito ativa nos anos de 1980, mas isso era centrado em torno de bandas como Ride e Slowdive > On a Friday nunca mais foram vistos nesta tendência, isso se deve ao tempo em que ficaram distantes por causa da universidade.
Porém o número de apresentações ao vivo aumentaram para a banda  On a Friday, algumas gravadoras e produtores começaram a se interessar.Chris Hufford, produtor do Slowdives e co-proprietário da Oxford’s Courtyard Studios, participou do início de um show do On a Friday no Jericho Tavern. Impressionado pela banda, ele e seu sócio Bryce Edge produziram uma fita demo e se tornaram empresários da banda, eles ainda continuam até hoje empresários da banda. Após um encontro entre Colin Greenwood e o representante da A&R da EMI Keith Wozencroft na loja de discos onde trabalhava a banda assinou um contrato de gravação de seis álbuns com o selo EMI. A pedido da EMI, a banda mudou seu nome para Radiohead, inspirado no título de uma música do Talking Heads  do álbum “True Stories”.
Pablo Honey, The Bends e o sucesso inicial (1992-1995)
Radiohead gravou seu primeiro lanámento, o EP Drill, com Chris Hufford e Edge Bryce no Courtyard Studios. Lançado em maios de 1992. Seu desempenho gráfico foi muito pobre. Posteriormente, a banda recrutou Paul e Sean Slade Klderie que haviam trabalhado com bandas indie dos EUA como Pixies e Dinosaur Jr. para produzir seu álbum de estréia, gravado rapidamente em um estúdio de Oxford em 1992. Com o lançamento do single “Creep”no final daquele ano, o Radiohead começou a receber atenção da imprensa musical britânica, nem toda ela era favorável. A NME os descreveu como: “a lily-livered excuse for a rock band” ou “uma desculpa covarde para uma banda de rock”, e “Creep”foi colocado na “blacklist”da BBC Radio 1 porque era considerada “muito deprimente”.
A banda lançou seu álbum de estréia, Pablo Honey, em Fevereiro de 1993. Ele estacionou no número 22 das paradas britânicas,”Creep”se tornou um hino e singles como “Anyone Can Play guitar” e “Stop Whispering” falharam em se tornar grandes hits. “Pop Is Dead” um single que não estava no álbum,foi lançado só depois,que vendeu tão mal quanto. Alguns críticos compararam  o estilo da banda no início com a onda de grunge, estilo musical popular dos anos 90, na medida do Radiohead ser apelidado de “Nirvana-lite”. Sim Pablo Honey falhou com os críticos e comercialmente falando em seu lançamento oficial. Apesar das influências de guitarras pesadas e o falsete da voz de Yorke, a banda se apresentou apenas em universidades britânicas e clubes.
Nos primeiros meses de 1993, o Radiohead começou a atrair ouvintes em outros lugares. “Creep” tocou frequentemente em uma radio de Israel influenciado pelo DJ Yoav Kutner e em Março, depois que a música se tornou um hit no país, Radiohead foi convidado para o seu primeiro show no exterior em Tel Aviv. Durante esse mesmo tempo, uma estação de radio alternativa de San Francisco (EUA) adicionou a música à sua playslist. Logo outras estações de radio ao longo da costa oeste dos EUA seguiram o exemplo. Até o momento o Radiohead começou sua primeira turnê norte-americana em junho de 93, o vídeo da música “Creep” estava  estourando na MTV. A canção chegou a número dois na parada de rock moderna dos EUA, entrou para o top 40 da parada pop e, finalmente, atingiu o n’mero sete no UK Singles Chart, quando a EMI o relançou no Reino Unido em setembro.
O sucesso inesperado do single nos Estados Unidos fez com que o improvisassem novos planos promocionais e a banda realizou mais de 150 shows entre os continentes em 93. O Radiohead quase acabou devido ao alto estres sofrido pelo sucesso repentino no segundo ano de turno do disco Pablo Honey.Membros da banda descreveram a turnê como difícil de se ajustar, no fim disseram que “ainda estamos tocando as mesmas canções que tinham gravado dois anos antes – como se estivéssemos em um túnel do tempo”, quando eles estavam ansiosos para trabalhar musicas novas.
A banda começou a trabalhar em seu segundo trabalho em 1994, contrataram o veterano produtor John Leckie da Abbey Road Studios. A tensão era alta, pois as expectativas sobre banda era se conseguiriam superar ou ao menos igualar o sucesso de “Creep”.A gravação flui naturalmente no estúdio e a banda teve mais tempo para trabalhar no material. Eles buscaram uma mudança de cenário, escursionando no Extremo Oriente,Austrália e México em uma tentativa de reduzir a pressão. A banda encontrou uma maior confiança no desempenho de suas músicas ao vivo. No entanto, Yorke ficou desiludido por ter sido “right at the Sharp end of the sexy,sassy,MTV eye-candly lifestyle” ele sentiu que estava ajudando a vender para o mundo.
My Iron Lung, um EP e single lançado no final de 94, foi a reação do Radiohead, marcando uma transição para a maior profundidade que se destinavam para o seu segundo álbum. Promovida através das estações de rádio alternativas, as vendas do single foram melhores que o esperado e pareceu que pela primeira vez a banda tinha encontrado uma base de fãs leais e não só de uma música. Introduzindo mais músicas novas na turnê, o Radiohead terminou a gravação de seu segundo álbum no final do ano e eles lançaram The Bends em Março de 95. O álbum foi impulsionado por riffs densos e pela atmosfera estérea das três guitarras da banda, com mais uso de teclados do que no álbum de estréia. Ele recebeu também criticas mais fortes tanto para composições como performances.
Enquanto o Radiohead eram vistos como estranhos à cena Britpop que dominava a atenção da mídia naquele momento, eles finalmente obtiveram sucesso em seu país de origem com The Bends, com os singles “Face Plastic Trees”,”High and Dry”,”Just”e”Street Spirit”, fizeram o seu caminho para o sucesso nas paradas do Reino Unido, a última canção colocou-os entre os cinco primeiros pela primeira vez.
Em 1995, o Radiohead novamente excursionou na América do Norte e Europa, desta vez com o apoio do R.E.M. uma das suas influências na formação e no momento uma das maiores bandas de rock do mundo. O buzz gerado pelos famosos fãs como Michael Stipe, juntamente com vídeos das músicas “Just”e “Street Spirit”, ajudou a sustentar a popularidade do Radiohead fora do Reino Unido.
No entanto, o crescimento de fãs do Radiohead foi insuficiente para que eles repetissem a popularidade comercial de “Creep”em todo o mundo. “High and Dry”se tornou um hit modesto, mas The Bends atingiu um pico de número 88 nas paradas  de álbuns dos EUA, que permanece a mais baixa desde que o Radiohead apareceu por lá. O Radiohead ficaram satisfeitos com a recepção do álbum.Johnny Greenwood disse: “Eu acho que o ponto de viragem para nós veio cerca de nove ou doze meses depois que o The Bends foi lançado e começou a aparecer para as pessoas mais para o fim do ano. Foi ai que pensamos que fizemos a escolha certa sobre ter uma banda.
OK Computer, fama e a crítica aclamada (1996-1998)
No final de 1995,o Radiohead já havia gravado uma música que estaria em seu próximo álbum.”Lucky”, realizado como  um single para promover a instituição de caridade War Child.
The Help Album que tinha sido feito em uma sessão com Nigel Godrich, um jovem engenheiro de som que havia assistido The Bends e que também produziu um B-side, Talk Show Host em 1996. A banda decidiu produzir no próximo álbum com o auxilio de Godrich e eles começaram a trabalhar no início de 1996. Até julho eles haviam gravado quatro canções em seu estúdio de ensaio,Canned Applause, que era um galpão de maçã na zona rual perto de Didcot,Oxfordshire.
Em agosto de 1996, o Radiohead excursionou como banda de abertura para Alanis Morissette, buscando aperfeiçoar suas novas músicas ao vivo antes de completar a gravação.Eles,então, retornaram a gravação, mais uma vez fora de um estúdio de música tradicional,estabelecendo-se,em vez de uma mansão do século 15, o Tribunal de Santa Catarina, próximo a Bath. As sessões de gravação foram relaxadas, com a banda tocando em todas as horas do dia, gravando canções em salas diferentes e ouvindo The Beatles,DJ Shadow,Ennio Morricone e Miles Davis para a inspiração. Radiohead contribuiu “Talk Show Host”,assim como uma música recém-gravada chamada “Exit Music(for a film)”,a adaptação de Baz Luhmann Rome e Julieta no final do ano. A maior parte do resto do álbum estava completo até o final de 1996, e em março de 1997, o registro foi mixado e masterizado.
Radiohead lançou seu terceiro álbum,Ok Computer,em junho de 1997. Em grande parte composto por canções de rock melódico, o novo álbum também descobriu a banda a experimentar novas estruturas musicais incorporando alguns sons ambientes,”avant garde” e influências eletrônicas. As letras do álbum tomou um tom mais observacional,menos pessoal do que The Bends,expressando o que uma revista chamou de: “end-of-the-millennium blues”.Ok Computer teve grande sucesso da crítica e Yorke admitiu que: “fique espantado com a reação que aconteceu.Nenhum de nós sabia porra nenhuma mais se era bom ou ruim. O que realmente explodiu minha cabeça foi o fato de que as pessoas tem todas as coisas,todas as texturas e os sons e ambientes que nós estávamos tentando criar.
Ok Computer foi o primeiro disco da banda a alcançar o topo de estréia no Reino Unido, impulsionando o Radiohead para o sucesso comercial em todo o mundo. Apesar de ter atingido a posição de número 21 nas paradas do EUA, o álbum finalmente teve o reconhecimento do mainstream por lá, recebendo o primeiro reconhecimento de Premio Grammy da carreira da banda, uma vitória para Melhor Álbum Alternativo e uma indicação para Álbum do Ano.”Paranoid Android”,”Karma Police”e”No Surprises”foram lançadas como single do álbum, dos quais “Karma Police” foi mais bem sucedido internacionalmente.
A realização de Ok Computer foi seguida da turnê mundial  “Against Demons”. Grant Gee, o diretor do clip de  “No Surprises”, acompanhou e filmou a turnê da banda realizando uma metragem, o documentário de 1999 Meeting People Is Easy. O filme retrata o descontentamento da banda com a indústria da música e com a imprensa, mostrando como eles evoluíram a partir de suas primeiras turnês em meados de 1997 a meados de 1998, quase um ano depois. No filme também fica documentado as versões anteriores de músicas que nunca foram lançadas ou não foram liberados até anos mais tarde, como “How to Disappear Completely””,”Life in a Glashouse”e “Nude”. Durante este período a banda também lançou uma compilação de vídeos,sete comerciais de televisão,bem como dois EPs, Airbag/How Am I Driving? E No Surprises/Running from Demons, que compilou os seus B-sides de singles do Ok Computer.
KID A, Amnesiac e a mudança no som (199-2001)
O Radiohead ficou após o término da turnê 97-98 um bom tempo inativo, tendo se apresentado apenas uma única vez no Amnesty International em París. Yorke mais tarde admitiu que durante esse período de inatividade a banda esteve perto de terminar, e que ele tinha desenvolvido uma forte depressão. No início de 1999, o Radiohead começou a trabalhar em follow-up(sequência) de OK Computer. Embora já não houvesse mais qualquer tipo de pressão ou prazo da gravadora, a tensão durante este período foi alta. Todos os membros da banda tinham visões diferentes pra o futuro do Radiohead, Yorke estava passando por uma experiência como escritor, que o influenciou em uma direção mais abstrata e fragmentada para compor. A banda Radiohead se isolou junto com o seu produtor Nigel Godrich em estúdios em París,Copenhagen, Gloucester, e em seu estúdio recém-criado em Oxford.
Eventualmente, todos os membros concordaram em uma nova direção musical,redefinindo seus papéis instrumentais da banda.Depois de quase 18 meses, as sessões de gravação do Radiohead foram concluídas,mais precisamente em abril de 2000. Em Outubro de 200 o Radiohead lançou seu quarto álbum, KID A, o primeiro de dois álbuns destas sessões de gravações. Ao invés de ser uma continuação de OK Computer, KID A apresentava um estilo minimalista e texturizado com partes de guitarra menos ostensiva e com instrumentos mais diversificados, incluindo Ondes Martenot(um dos primeiros instrumentos eletrônicos,criado em 1928),batidas eletrônicas e pegadas de jazz. Ele estreou em primeiro lugar em muitos países,incluindo os EUA, onde a sua estréia alcançou o topo da parada da Billboard e o Radiohead ficou marcado por estrear em primeiro lugar nos EUA,sucesso esse raro entre os músicos do Reino Unido. Esse sucesso todo foi atribuído a diversas ações de marketing,alguns meses antes de seu lançamento o álbum vazou Np Napster(rede de compartilhamento de arquivos)antecipando o lançamento,em parte baseado no sucesso do OK Computer. Embora o Radiohead não lançou nenhum single para o KID A, as promoções de “Optimistic” e “Idioteque” foi recebido nas rádios e uma série de “blips”, ou vídeos pequenos definidos com trechos das músicas, foram tocados em canais de música e liberados livremente na Internet. Durante  a gravação a banda tinha lindo o livro de Naomi Klein, um livro anti-globalização. Eles decidiram então no Verão de 2000 iniciar uma turnê pela Europa até o final do ano, em uma tenda livre de publicidade. Mas promoveram o álbum KID A com três concertos na América do norte em teatros.
KID A recebeu o Grammy de Melhor Álbum Alternativo e uma indicação para o Álbum do Ano no início de 2001.Ainda assim, ganhou elogios e críticas nos círculos da música independente por se apropriar de estilos alternativos de música,enquanto alguns críticos importantes do mainstream britânico viram o KID A como um “bilhete de suicídio comercial”,rotulando-o ïnternacionalmente difícil”e pedindo um retorno do estilo antigo da banda. Os fãs de Radiohead ficaram igualmente divididos,uns ficaram horrorizados e outros mistificados,muitos viram o álbum como o melhor trabalho da banda.Yorke, no entanto, negou que o Radiohead tinha a intenção de evitar expectativas comerciais,dizendo: “Eu estava realmente surpreso com o quão mal(KID A) estava sendo visto…porque a música não é tão difícil de etender.Nós não estamos tentando ser difícil…Na verdade,estamos tentando nos comunicar mas em algum lugar da linha,só pareceu irritar muita gente….o que estamos fazendo não é tão radical.”
Amnesiac, foi lançado em Junho de 2001, composto por faixas adicionais das sessões de gravação do KID A. Estilo musical. O estilo musical dessas canções foram semelhantes ao do KID A, com a fusão de músicas eletrônicas e influências do jazz,embora mais dependente do uso de guitarras. O disco foi um sucesso mundial comercial e de crítica, que liderou o quadro de álbuns do Reino Unido e chegou a número dois nos EUA,sendo nomeado para um Grammy Award e Mercury Music Prize.
Após o lançamento de Amnesiac, a banda embarcou em uma turnê mundial, visitando a América do Norte,Europa e Japão. Enquanto isso, “Pyramid Song”e “Knives Out”, os primeiros singles do Radiohead lançados desde 1998,foram modestamente bem sucedidos, e ‘I Might Be Wrong”,inicialmente previsto como um terceiro single,expandiu-se,para I Might Be Wrong: Live Recordings,lançado em novembro de 2001,contou com performances de sete músicas do KID A e Amnesiac,juntamente com a música acústica e inédita “True Love Waits”,este é o único registro ao vivo,pelo menos até agora oficial do Radiohead.
Hail to the Thief: rompimento com a EMI (2002-04)
Durante os meses de julho e agosto de 2002, o Radiohead excursionou em Portugal e Espanha, desempenhando um número de canções recém-escritas.Eles então, gravaram o novo material em duas semanas em um estúdio de Los Angeles com Nigel Godrich, acrescentando várias faixas depois, em Oxford, onde a banda continuou o seu trabalho no ano seguinte. Os membros do Radiohead, descreveram que o processo de gravação, foi descontraído, em comparação com as tensas sessões de gravação do KID A e Amnesiac. O sexto álbum da banda, “Hail to the Thief”, foi lançado em junho de 2003. A mistura de sons ao longo da carreira, combinaram em uma mistura de rifs de guitarras de rock com influências eletrônicas e letras tópicas de Yorke. Embora o álbum fora elogiado pela crítica, muitos críticos achavam que o Radiohead foram pisando na água de forma criativa em vez de continuar o “gênero-redefinição” tendência que o OK Computer tinha começado. No entanto, “Hail to the Thief” fez sucesso comercial, estreando em número um no Reino Unido e número três na parada da Billboard e, eventualmente, sendo disco de platina no Reino Unido e disco de ouro nos EUA. Os singles do álbum, “There There”,”Go to Sleep” e “2+2=5”, atingiram um alto número de “plays” nas rádios de rock moderno. No Grammy Awards de 2003, o Radiohead foram novamente nomeados para Melhor Álbum Alternativo, enquanto oprodutor Godrich e o engenheiro Darrell Thorp receberam o Prêmio Grammy de Melhor Álbum Projetado.
Yorke negou que  o título Hail to the Thief foi um comentário sobre a polêmica eleição presidencial nos EUA em 2000, explicando que ele ouviu pela primeira vez as palavras em uma rádio BBC 4 de discussão da política do século 19 americano.
Yorke disse que sua música havia sido afetada por notícias de guerra, em 2001, 2002 e “o sentimento de que estamos entrando em uma era de intolerância e medo, onde o poder de nos expressar em uma democracia e que nossas vozes sejam ouvidas é negado a  nós” ,mas disse que, “[Radiohead] não gravou um disco de protesto e  que não gravaram um disco político.
Depois do lançamento de Hail to the Thief, o Radiohead se lançou em maio de 2003 em uma turnê mundial, incluindo um desempenho no Festival de Glastonbury. A turnê terminou em Maio de 2004, com uma apresentação no Festival Coachella.
Durante sua turnê, a banda lançou COM LAG, um EP com uma compilação da maioria de seus b-sides. Após a turnê, a banda começou a escrever e ensaiar em seu estúdio em Oxford, mas logo entrou em hiato. Livre de seu contrato com a gravadora EMI,  o Radiohead passou o resto de 2004 descansando com suas famílias e trabalhando em projetos solo.
In Rainbows e “pagar o quanto você quer” (2005-08)
Radiohead começou a trabalhar em seu sétimo álbum em Fevereiro de 2005. Em setembro de 2005, a banda gravou uma música de piano-base. A canção “I Want None of This”, para um álbum de caridade intitulado como: “War Child”: Help A Day in the Life. O album foi vendido online sendo que faixa “I Want None of This”foi a faixa mais baixada,embora não tenha sido lançada como single. O Radiohead já havia começado a gravar seu próximo álbum por conta própria e, em seguida, com Mark Stent como produtor. No entanto, no final de 2006, após turnê pela Europa e América do Norte aonde estrearam 13 novas canções, a banda voltou a trabalhar com Nigel Godrich em Londres, Oxford e em várias localidades rurais em Somerset,Inglaterra. O trabalho foi concluído em junho de 2007 e as gravações duraram por todo o mês seguinte.
O sétimo álbum do Radiohead, “In Rainbows”, foi lançado através do próprio site da banda em outubro de 2007 como download digital, aonde os clientes poderiam pagar o quanto quiser ou até mesmo absolutamente nada, o site apenas aconselhava, “it’s up to you”(cabe a você).
Após o anúncio repentino da banda, 10 dias antes, a estratégia incomum do Radiohead recebeu muita atenção na indústria da música pelos 1.200.000 downloads teriam sido vendidos até o dia do lançamento, mas a gerência da banda não divulgou números oficiais de vendas, alegando que a distribuição pela internet somente tinha a intenção de impulsionar as vendas no varejo futuramente.
Colin Greewood explicou a liberação na internet como uma forma de evitar a “regulated playlists”, algo como “listas reguladas” e “straightened formats” (formatos convencionais) de rádio e TV, garantindo os fãs ao redor de todo mundo a possibilidade de experimentarem a música, ao mesmo tempo, e evitar vazamentos antes de uma liberação física. Um “discbox”, incluindo um segundo disco em vinil e CD de sessões de gravações do álbum e um livro de capa dura de arte, também foi anexado e enviado ao produto final em 2007.
In Rainbows foi fisicamente lançado no Reino Unido no final de dezembro de 2007, pela XL Recordings e na América do Norte em janeiro de 2008 pela TBD Records, alcançando o número nas paradas do Reino Unido e dos EUA.
O sucesso do disco nos EUA marcaram o nível mais alto de sucesso da banda depois do KID A, enquanto ele era apenas o quinto no Reino Unido. In Rainbows vender mais de 03 milhões de cópias no prazo de um ano de lançamento. In Rainbows também recebeu críticas extremamente positivas, entre as melhores da carreira do Radiohead, críticos elogiaram o álbum por ter sido um som mais acessível e com um estilo mais pessoas das letras do que seu trabalho passado. O álbum foi indicado para uma seleta lista do Mercury Music Prize, e passou a ganhar o Prêmio Grammy de 2009 como Melhor Álbum de Música Alternativa. Sua equipe ganhou o Grammy de Melhor Pacote de Edição Limitada em Box Especial, enquanto o Radiohead recebeu sua terceira indicação para Álbum do Ano. Juntamente com três outras indicações para a banda, o trabalho de produção de Godrich e o clip da música “House of Cards”,também recebeu indicações.
Radiohead lançou uma série de singles do In Rainbows em apoio ao álbum: “Jigsaw Falling Into Place”, o primeiro, foi lançado no Reino Unido em janeiro de 2008. O segundo single, “Nude”, estreou no número 37 no Billboard Hot 100, a primeira músca deles a fazer parte deste gráfico desde “High and Dry” em 1995 e um pouco antes dessas nos EUA com “Creep”. Radiohead continuou a colocar as faixas de In Rainbows como singles e vídeos, em julho com um vídeo filmado digitalmente para “House of Cards”, depois “Bodysnatchers”,que também recebeu um lançamento único na rádio. Em setembro a banda anunciou um quarto singles,”Reckoner”, e um concurso de remixes semelhante ao que foi feito com “Nude”. O maior álbum de hits do Radiohead foi intitulado com: The Best Of e foi lançado pela EMI em junho de 2008. A compilação foi feita sem a participação da banda e também não continha qualquer música do In Rainbows, como a banda já havia deixado sua marca.Yorke expressou sua desaprovação em nome do Radiohead: “Nós realmente não tínhamos tido qualquer tipo de idéia do que havíamos proposto. Seria uma oportunidade perdida se tivéssemos pensando em algo por trás dele, e nós quisemos fazê-lo,então poderia ter sido bom”. A partir de meados de 2008 para início de 2009, o Radiohead fez uma turnê pela América do Norte, Europa, Japão, México e América do Sul para promover o In Rainbows. A banda intitulou o Reading e Leeds Festivals, em agosto de 2009.
 
The King Of Limbs e o trabalho independente (2009-presente)
Em maio de 2009, a banda começou as sessões de gravação do novo álbum com o produtor Nigel Godrich. Em agosto daquele ano, o Radiohead lançou dois singles em seu site. Primeiro, “Harry Patch ( In Memory Of)”, foi gravado em homenagem a Harry Patch, o ultimo soldado britânico sobrevivente da Primeira Guerra Mundial e que havia morrido recentemente. A canção foi vendido por £ 1, com os redimentos doou ä Legião Britânica. Harry Patch (In Memory Of), destaca na letra as declarações do próprio Patch sobre sua experiência na guerra, sobre um pano de fundo orquestra de cordas com o arranjo de Johnny Greenwood. Mais tarde, ainda naquele mês, uma nova canção “These Are My Twisted Words”, foi disponibilizada para download gratuito. Johnny Greenwood explicou que a música tinha sido uma das primeiras sessões de gravações recentes da banda.
Em uma entrevista na NME em meados de 2009, Yorke sugeriu que iria transformar o seu foco de álbuns completos em EPs,incluindo a possibilidade de um EP de música orquestral.
Em dezembro daquele ano, O’Brien declarou no site do Radiohead que a banda iria começar a trabalhar em seu próximo álbum em janeiro. “O clima no acampamento é fantástico no momento, e cairemos de cabeça no estúdio em janeiro para continuarmos o trabalho que começou no verão passado…10 anos atrás estávamos todos em conjunto(que é banda) no KID A…e, apesar de imensamente orgulhosos da gravação,não foi um momento muito divertido… o que é reconfortante agora, é que nós somos definitivamente uma banda diferente, que deve, portanto, significar que a música seja diferente e é esse nosso objetivo. Em entrevista à BBC 6 Music em junho de 2010, Ed O’Brien fez comentários semelhantes, que foram o Radiohead “no centro da cidade agora”.O’Brien também disse que a banda esperava ser capaz de liberar o álbum até o final od ano. Em setembro de 2010, Colin Greenwood mencionou que eles tinham acabado um novo conjunto de canções e “começaram a se perguntar sobre como liberá-las em um cenário digital que mudou novamente.. Phil Selway acrescentou mais tarde que a banda vai “fazer um balanço do novo material e disse que tudo”online.
Em janeiro de 2010, enquanto os membros do Radiohead estavam em Los Angeles para gravar, a banda fez um show beneficiente para a Oxfam. Os bilhere foram leiloados a quem pagasse mais, permitindo que o show no Henry Fonda Theater de Los Angeles arrecadasse mais de meio milhão de dólares para o trabalho de uma ONG norte americana no Haiti, que no início do mês havia sido atingida por um terremoto devastador. Um grupo de fãs juntos editaram vídeos em formatos digitais durante a apresentação para fazer um documentário multi-camêra do concerto, que foram depois disponibilizados através do YouTube e torrents em dezembro de 2010, com o apoio da banda e um “pague quanto você quiser”link para doar para Oxfam. Em 2010, outra coletiva de fãs distribuiu livremente pela internet, com áudio soundboard fornecidas pela banda. Live in Praha e Radiohead for Haiti foram revistos pela grande mídia e foram descritos como exemplos de abertura da banda para os fãs e sua positividade em direção a formas não comerciais de distribuição na internet.
O oitavo álbum do Radiohead, The King of Limbs, foi lançado digitalmente em fevereiro de 2011 através do site da banda na internet. O anúncio do álbum no Dia dos Namorados foi seguido pela liberação na internet quatro dias depois, junto com um vídeo para a música “Lotus Flower”. The King Of Limbs foi lançado em CD,vinil e formatos padrões de download em março, e em um “newspapper álbum”,que incluía arte,escritos,e eum CD, bem com edição em vinil do álbum,em maio. Em março para coincidir com o lançamento no varejo do álbum, a banda também lançou “The Universal Sigh”, uma edição diferente de jornal,personalizado com poesia,contos,ensaios,letras e arte,para o qual a banda distribuiu gratuitamente no centro de cidades selecionadas pelo mundo para os fãs. Em seu lançamento comercial The King Of Limbs alcançou o número sies do Reino Unido, tornando-se o primeiro  álbum da banda desde The Bends não estrear em número um no Reino Unido. Nos EUA alcançou o número três, a par com o lançamento da bandas mais rotuladas. Em julho de 2011 The King of Limbs edição em vinil foi relatado para ser o vinil mais vendido do ano até agora por uma larga margem, e o Radiohead foi creditado em ajudar em um aumento contínuo de vendas do formato vinil.
Não houve singles físicos,além de remixes,lançados do The King Of Limbs, marcando-o ao lado de KID A o único álbum sem singles. No entanto, “Lotus Flower”,estabeleceu-se em vários países devido äs vendas digitais ou nas rádios e manipulações de seu vídeo, com Thom Yorke dançando músicas diferentes,tornou-se um buzz na internet. Em 16 de abril de 2011, o Radiohead lançou um single em vinil “Supercolider” e “The Butcher”, para o Dia da Loja de Discos. A banda revelou que eles trabalharam em ambas as canções durante as sessões de The King Of Limbs, mas decidiram não incluir-las no álbum.”Supercolider” com mais de 07 minutos,é a canção mais longa de estúdio já gravado pelo Radiohead. Arquivos digitais das músicas foram disponibilizados sem custo para quem já havia comprado o álbum no site da banda e a banda carregou o áudio das músicas para o seu canal no YouTube. O Radiohead também lançou recentemente uma série de remixes de The King Of Limbs. Os Remixes anunciados até agora incluem Caribou,Jacques Greene,Lone e Four Tet, a banda também fez o upload de cada remix lançado e foi liberado em seu canal no YouTube.
Em junho de 2011, um vídeo da banda tocando uma música nova, “Staircase”, foi carregada pela banda no YouTUbe.Em 24 de junho de 2011, o Radiohead tocou como um ato “secreto”no Festival Glastonbury,onde introduziu uma outra música nova já realizadas por Yorke, “The Daily Mail”. A banda fez sua primeira apresentação pública de muitas canções do The King Of Limbs em Glastonbury,para o qual foram unidas por um membro convidado, o baterista da banda Portished Cliver Deamer.Em julho de 2011, um número de canais de televisão ao redor do mundo estreou uma performance gravado ao vivo na série The Basement,com Radiohead e Deamer tocando todas as músicas do The King of Limbs, bem como “The Daily Mail” e o ao vivo lançado anteriormente “Staircase”.
Em agosto de 2011 Phil Selway começaram a discutir brevemente planos de turnê para o Radiohead,dizendo que a banda foi inspirada por seu desempenho em Glastonbury e estavam discutindo planos para turnê do The King of Limbs de forma mais ampla,embora eles não tenham tomado nenhuma decisão ainda.


Fonte: Wikipedia
Você quer ajudar a manter este conteúdo atualizado por favor entre em contato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *